O documentário no cinema novo: artifícios do real, grafias do Brasil (1959-1967)

R$72,00

O documentário adapta o mundo, entrópico e caótico, a uma narrativa coesa, a um sentido nal. Não há saída fora da criação. A linearidade ou a quebra do tempo, a câmera fixa ou cambaleante, o corte abrupto ou o plano distendido: nada existe senão por escolha. A máquina xa e reproduz seu encontro com o mundo. O filme torna-se uma realidade em si mesma, ou inverte-se a equação: não é mais a realidade que legitima o documentário, mas o filme que sanciona a realidade. O moderno documentário brasileiro procurou dar conta de uma realidade cuja essência seus filmes se arrogavam revelar. A vida imediata captada pela câmera nunca foi, senão em sugestões retóricas posteriores, sua principal preocupação. Os filmes serão os índices visuais de ideias já gestadas.