O crescimento das vendas de livros de não ficção

O mercado editorial sofreu um grande impacto no ano de 2020 com a pandemia de Covid-19. Com o setor já desestabilizado antes da crise, a venda de livros se viu ainda mais sem rumo após o fechamento de livrarias e sebos. No entanto, alguns assuntos evidentes, como a crise na saúde mundial e o movimento Black Lives Matter, impulsionaram a venda de obras sobre temas sociais e de interesse público.

A pandemia trouxe um momento de incerteza e reflexão sobre a humanidade, destacando obras que tratassem sobre esses temas também. O fato de os livros mais vendidos do ano serem sobre assuntos de cunho social, principalmente de temas em alta, é uma tendência natural. 

A importância de livros de não ficção

Os livros de não ficção contam histórias, fatos ou abordam assuntos do mundo real através da linguagem literária. Nada mais é do que o conjunto de experiências e/ou ensinamentos que autores e autoras tiveram durante toda a sua vida, compilados em algumas páginas.

E esse é um dos principais motivos para se atentar a esse tipo de obra. Ler livros de não ficção é a forma mais fácil e rápida de ter conhecimento das mais variadas áreas, culturas e idades.

Além disso, um livro de não ficçãoé a pedida perfeita para quem deseja sair de uma ressaca literária. Ou seja, não quer ficar preso dentro de uma única narrativa literária e está em busca de novos títulos para, literalmente, consumir.

5 livros de não ficção para você começar a ler agora

Maioria Minorizada: um dispositivo analítico de racialidade

A obra Maioria Minorizada do cientista social, comunicador e rapper Richard Santos é fruto de sua experiência pessoal, política, cultural e social de homem negro, do asfalto carioca, forjada na vida familiar, nas bibliotecas, nos shows, nas quebradas, no movimento periférico, na paternidade, nos estúdios, nas redações, nas salas de aula e nos meios de comunicação.

Psicologia, raça e racismo: uma reflexão sobre a produção intelectual brasileira

Por meio da perspectiva da psicologia crítica do racismo, Roberta Maria Federico empreende uma análise crítica de pesquisas no campo da psicologia para compreender a forma que os descritores “negro”, “raça”, “relações raciais” e “racismo”, presentes nesses trabalhos, mobilizam discursos realmente emancipadores no sentido de superação das desigualdades raciais e de reparação dos danos causados pelo racismo.

Substâncias, sujeitos, eventos: uma autoetnografia sobre uso de drogas

O livro estabelece como unidade de análise os recíprocos agenciamentos das substâncias psicoativas, das trajetórias dos sujeitos e dos eventos de consumo. Por meio de sua autoetnografia, Maurício procura ultrapassar o divisor epistêmico entre ciências médicas e ciências sociais. Substâncias, sujeitos e eventos são descritos no plano da experiência concreta e vivida: das sensações epidérmicas à alteração da consciência, do prazer ao desprazer, o autor constrói, por dentro, crônicas originais, minuciosas, perspicazes e elucidativas do uso de álcool e outras drogas.

Motel Brasil: uma antropologia contemporânea

As metamorfoses recentes da sociedade brasileira são analisadas por um ponto de vista singular: a suíte de motel. Esse lugar é visto como um indicador das mudanças comportamentais ocorridas desde o fim dos anos 1960 até hoje. Usos do corpo, relações entre gêneros feminino e masculino, paixão romântica e práticas transgressivas, novas formas de consumo e de lazer, modos de vida urbanos são examinados a partir dessa perspectiva inédita.

O livro das suspeições: o que fazer quando sabemos que sabemos que Moro era parcial e suspeito?

O Livro das Suspeições reúne artigos originais de juristas e advogados que atuaram na “Lava Jato”. Os autores examinam os detalhes da operação e mostram como, em vários momentos, o então juiz Sergio Moro e os procuradores da força-tarefa assumiram uma postura parcial ou faltaram com a isenção. A proposta do livro é levar a história dos bastidores da “lava jato” para além da comunidade jurídica, apontado os fatos que estiveram por trás de uma operação que.

Deixe um comentário