Homenagem ao aniversariante do mês: José Saramago

Autor de prosas e poesias, permeando pelo teatro, José Saramago reinventou a literatura do século XX, levando consigo uma trajetória de reconhecimento e brilhantismo. Um grande defensor dos direitos humanos, questionador nato, tem uma obra marcante, com um estilo sem igual. Saramago faz parte da história dos grandes escritores e neste artigo lhe faremos uma pequena homenagem!

José Saramago nasceu em 16 de novembro de 1922, no distrito de Santarém, em Portugal. Quando tinha dois anos de idade, seus pais, que eram camponeses, mudaram-se para a capital, Lisboa.

Saramago estudou em escola técnica, fazendo um curso de serralheiro mecânico, onde tinha também aulas de literatura. Foi aí que pegou gosto pelas artes da poesia e da escrita. Chegou a trabalhar como serralheiro, depois foi funcionário público na área da saúde e da Previdência Social. Por fim, autodidata que era, adquiriu grande conhecimento na literatura, filosofia e história. Além disso, foi tradutor, jornalista e editor. Só em 1947 publicou seu primeiro romance, intitulado Terra do Pecado

Digno de uma história de cinema, ganhou o Prêmio Camões – a mais tradicional premiação de literatura em língua portuguesa – e o Prêmio Nobel de Literatura – a mais famosa premiação literária internacional.

José Saramago foi um autor de muitos gêneros, o que o tornou ainda mais único. Escreveu poemas, peças de teatro, crônicas, contos, novelas, romances e mantinha conteúdo em um site próprio. Mas foi a prosa que o consagrou como o grande escritor do século XX.

Obras de José Saramago

Seu estilo de composição o tornou revolucionário da literatura da época. Saramago ficou conhecido por abolir o uso tradicional da pontuação. Fazia diálogos iniciados sem travessão ou aspas indicando a troca de turno da fala. Usava longos períodos ou sentenças escritas sem ponto final ou sinal de interrogação. Além disso, escrevia capítulos inteiros sem quebra de parágrafo, sem numeração e sem título. 

Confira os títulos:

  • Terra do pecado 
  • Manual de pintura e caligrafia 
  • Levantado do chão 
  • Memorial do convento 
  • O ano da morte de Ricardo Reis 
  • A jangada de pedra 
  • História do cerco de Lisboa 
  • O evangelho segundo Jesus Cristo 
  • Ensaio sobre a cegueira 
  • Todos os nomes 
  • A caverna 
  • O homem duplicado 
  • Ensaio sobre a lucidez 
  • As intermitências da morte 
  • A viagem do elefante 
  • Caim 
  • Claraboia 

Adaptações para o cinema

Suas obras fizeram tanto sucesso que ganharam o holofote da indústria cinematográfica. São elas:

  • Ensaio sobre a cegueira 
  • A jangada de pedra 
  • Embargo 
  • José e Pilar 
  • O homem duplicado 

Leia também: Literatura de cordel: sua importância e significado para a literatura brasileira

Deixe um comentário