Editora Telha entre os 10 finalistas do Prêmio Jabuti 2020

Obra Motel Brasil, de Jérôme Souty, concorreu à categoria de Ciências Sociais

O livro Motel Brasil, de Jérôme Souty, ficou entre os 10 finalistas do Prêmio Jabuti 2020. A obra concorreu pela categoria Ciências Sociais. 

Publicado originalmente na França em 2015, o livro analisa as metamorfoses recentes da sociedade brasileira por um ponto de vista singular: a suíte de motel. Esse lugar é visto como um indicador das mudanças comportamentais ocorridas desde o fim dos anos 1960 até hoje.

Usos do corpo, relações entre gêneros feminino e masculino, paixão romântica e práticas transgressivas, novas formas de consumo e de lazer, e modos de vida urbanos são examinados a partir dessa perspectiva inédita. O autor aponta ainda algumas ambiguidades constitutivas da sociedade brasileira e investiga a ocorrência de uma estética e de um imaginário urbanos globalizados nos chamados love hotels.

O livro é resultado de uma pesquisa independente realizada por Souty. Inquietado pela presença maciça dos motéis na paisagem urbana contemporânea do Brasil, o antropólogo inicialmente estava interessado na estética kitsch e romântica típicas da decoração e publicidade da indústria moteleira.

A partir dessa entrada em campo, entretanto, percebeu a amplitude dos efeitos – pouco evidentes à primeira vista – e influências desses espaços nos modos de vida dos brasileiros. Reconhecíveis e acessíveis, os motéis são destinados a abrigar, com toda discrição, relações amorosas e sexuais.

Muito populares, esses estabelecimentos se tornaram uma realidade incontornável em nossa sociedade e formam um importante setor econômico. De maneira ambígua e paradoxal, curiosamente, continuam situados em um espaço liminar, associado à transgressão.

Como o modelo de motel norte-americano — um simples hotel de beira de estrada — transformou-se em love hotel ao chegar ao Brasil no fim dos anos 1960? Por que a maioria de brasileiros, adultos de todas as idades, meios sociais ou orientação sexual, é atraída por esses estabelecimentos? Esses drive-in do amor podem ser considerados emblemáticos de uma sociedade consumista e sexualmente desinibida?

Essas são algumas das questões suscitadas pela pesquisa cujas respostas possíveis são elaboradas por Souty de forma criativa, porém sem perder o rigor científico e fidelidade aos dados do material etnográfico.

Sobre o prêmio

Realizado pela Câmara Brasileira do Livro (CBL), o Prêmio Jabuti confere aos vencedores o reconhecimento da comunidade intelectual brasileira e do mercado editorial. 

Nesta edição, os quatro eixos foram organizados em: Literatura, Ensaios, Livro e Inovação, com categorias em Literatura, Capa, Ilustração, Editor do Ano, Gráfico do Ano, Livreiro do Ano, Personalidade Literária, Adaptação, Ilustração, Capa, Projeto Gráfico e Tradução, além das categorias tradicionais como Romance, Contos, Crônicas, Poesia, Infantil, Juvenil, Reportagem e Biografia.

Em 2020, o Prêmio Jabuti recebeu 2.599 inscrições, número 20% maior do que em 2019. Cada categoria do Jabuti conta com três jurados, profissionais especialistas nas respectivas áreas. Os 60 jurados têm formações diversas e todos conhecem profundamente o universo do livro.

Depois de homenagear a escritora Conceição Evaristo na última edição, este ano a grande homenageada do Jabuti 2020 é a poeta Adélia Prado.

Deixe um comentário