Seu livro não é a sua tese: dicas para adaptar o texto

Uma boa tese não implica um bom livro e vice-versa.

Para começar a pensar em uma adaptação de qualidade, é necessário entender os diferentes aspectos que envolvem a passagem de um suporte para o outro: público-alvo, forma, conteúdo e apelo do tema são alguns fatores a se dar atenção para um bom resultado.

Entendendo os diferentes públicos

Quando falamos em tese, estamos automaticamente direcionando o livro a um formato que atende determinadas exigências formais que será lido e avaliado por um público profissional e com autoridade no assunto.

Ao pensar na formatação para livros, é preciso compreender que você não irá apenas transformar o manuscrito em uma brochura. Por mais que os assuntos sejam acadêmicos, o livro será voltado a um público amplo, que poderá ser lido por especialistas, profissionais de outras áreas e até curiosos, sendo assim, o mesmo não deve ser uma cópia fiel da tese. 

Reestruturação da tese

Agora que você já entendeu como diferenciar os públicos e formatos, é hora de reestruturar o conteúdo para atender a um novo veículo, o livro. Repense o formato e estilo de texto, o livro permite maior flexibilidade com a linguagem e o autor poderá optar por menos jargões e conceitos mais simples para que a obra seja acessível a um número maior de pessoas, aumentando a sua circulação.

Descubra o que precisa ficar e o que pode sair da obra, dispense capítulos excessivamente teóricos, mantenha apenas as notas de rodapé realmente imprescindíveis, nem sempre quantidade é sinônimo de qualidade. Neste momento, é possível ainda utilizar de recursos visuais e formatações estilizadas para passar a mensagem que você deseja.

Revisão e publicação

Aqui a etapa é a mesma para todos os estilos de livros. Revise o conteúdo do seu livro e todo o material visual junto com o editor. Faça os ajustes necessários e certifique-se que a leitura flui bem e pode ser facilmente compreendida, de forma direta, clara e concisa.

Ainda que as especificidades da sua pesquisa devam ser respeitadas, ouvir as sugestões dos revisores e editores é fundamental. É nesse trabalho em conjunto que o texto ganha forma e se torna mais acessível. Ter em mente que uma linguagem menos formal não significa perda de densidade é condição essencial para se obter êxito.

A Telha possui em seu quadro mestres e doutores que conhecem bem as dores da escrita acadêmica.

Teses, dissertações, monografias de especialização, coletâneas de artigos, ensaios ou livros autorais, estamos prontos para ajudá-lo na edição de seu livro.

Envie seus originais ou marque um café para batermos um papo.

Deixe um comentário