O legado de Nelson Rodrigues

Entre dramas, romances, crônicas e contos nasceu uma lenda: Nelson Rodrigues! Um grande nome no teatro brasileiro, conhecido pelo enredo de humor e pelo politicamente incorreto. Conheça neste artigo o legado desse grande autor.

Nelson Rodrigues era natural de Recife, mas quando criança, sua família mudou-se para o Rio de Janeiro. Filho do influente jornalista Mário Rodrigues, ele já tinha a escrita nas veias, começando sua carreira no jornal “A Manhã” e posteriormente em “O Globo”. 

Em 1942 lançou sua primeira peça, “A mulher sem pecado”, mas seu trabalho de sucesso começou em 1951, com a estreia de “A vida como ela é”. Seu romance mais famoso, “O casamento”, foi lançado em 1966.

Como autor brilhante do Modernismo, Nelson Rodrigues se destacou porque mostrava em seus personagens aspectos psicológicos aflorados, além de usar técnicas surpreendentes na hora de compor o espaço de suas produções. A influência de Freud em suas peças é outra forte característica para a construção de figuras arquetípicas, onde sondava seu consciente e subconsciente.

Entre outras coisas, Nelson foi o torcedor mais famoso do clube Fluminense. Chegou até a escrever sobre futebol no “Jornal dos Sports” e histórias sobre os conflitos de classe média das famílias em “Última Hora”, onde usava um apelido feminino.

Nelson foi uma pessoa fora de série e deixou, além do legado de suas obras, frases inesquecíveis. Confira abaixo algumas delas.

Frases inesquecíveis de Nelson Rodrigues

  • “O adultério não depende da mulher, e sim, do marido, da vocação do marido. O sujeito já nasce marido enganado.”
  • “Todo amor é eterno e, se acaba, não era amor.”
  • “São incompatíveis a beleza e a felicidade. E se a mulher bonita é feliz, estamos certos de um equívoco visual: não é bonita.”
  • “Os jardins de Burle Marx não têm flores. Têm grama e não flores. Mas, para que grama, se não somos cabras?”
  • “Só o cinismo redime o casamento. É preciso muito cinismo para que um casal chegue às bodas de prata.”
  • “Ninguém trai o seu ódio, e repito: o homem é mais fiel ao seu ódio do que ao seu amor.”

Grandes obras, entre contos e crônicas

  • Cem contos escolhidos – A vida como ela é… 
  • Elas gostam de apanhar 
  • A vida como ela é – O homem fiel e outros contos 
  • A dama da lotação e outros contos e crônicas 
  • A coroa de orquídeas e outros contos de A vida como ela é 
  • Memórias de Nelson Rodrigues 
  • O óbvio ululante: primeiras confissões 
  • O Reacionário: memórias e confissões 

Se você ainda não conhece essas obras, te convidamos a colocar na sua lista de leituras, pois Nelson Rodrigues sintetizou em seu legado aspectos dignos de serem lembrados, vistos e revistos sempre.

Deixe um comentário