Retomada das livrarias no pós-pandemia

Projetos e estratégias comerciais estão sendo viabilizados para manter pequenas livrarias

Aos poucos, estabelecimentos comerciais em todo o país estão reabrindo e as livrarias acompanham o ritmo. Através de novas estratégias e incentivos de projetos de diferentes entidades, o setor livreiro tem buscado fortalecer seus negócios diante de um novo cenário.

Projeto Retomada

O Projeto Retomada foi lançado em junho pela Câmara Brasileira do Livro (CBL), Associação Nacional de Livrarias (ANL) e pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL). A ideia foi levantar recursos para ajudar pequenas e micro livrarias prejudicadas pelo fechamento das lojas por conta da pandemia de coronavírus.

As livrarias interessadas se inscreveram pela plataforma e uma comissão avaliou os dados, validando a participação de cada uma delas de acordo com o perfil dos micro e pequenos negócios do setor para, então organizar o repasse da verba entre as participantes. 

Pequenas livrarias

O Brasil tem, hoje, aproximadamente 2 mil e quinhentas livrarias. Muitas delas, de pequeno ou micro porte, precisaram se reinventar para se manterem no mercado durante a crise. Entre as muitas estratégias criadas ou resgatadas nesse período estão a indicações de livros por whatsapp, entregas e produção de conteúdo para as redes sociais.

Muitas dessas livrarias não tinham um serviço de e-commerce ou de entrega. Com a adaptação, passaram a receber pedidos via redes sociais e WhatsApp e a fazer entregas com veículos próprios. 

Outra aposta foi na produção de conteúdo para manter o contato com os leitores. Dicas de livros, opinião de autores, vídeos. Tudo para os usuários sentirem que estão mergulhando no incrível mundo das livrarias mesmo estando longe fisicamente.

Lojas de portas abertas e segurança redobrada

Após alguns meses de quarentena, algumas livrarias começam, aos poucos, a reabertura e voltam à rotina. As livrarias entram na categoria de comércio e puderam voltar a funcionar nas cidades em que o setor foi autorizado a reabrir. Assim como o restante das lojas, elas têm de obedecer a algumas regras, como o distanciamento entre clientes e barreiras de acrílico nos caixas.

Cada vez que um cliente folheia um livro, por exemplo, ele deve ser limpo imediatamente. Para não estragar a capa, o número de unidades embaladas com plástico aumentou. Em algumas livrarias, a edição folheada e não comprada é embalada novamente antes de voltar para a prateleira.

Assim como em outros setores, as regras nas livrarias envolveram horário reduzido, uso de máscara para funcionários e clientes, número limitado de pessoas dentro do estabelecimento, sinalização dos espaços, além de proibição de eventos como os lançamentos de livros.

Deixe um comentário